Dicas de iluminação para casa

Atualmente, economizar está no topo da lista deprioridades de muitas famílias. E um dos itens que tem encarecido bastante o orçamento familiar é a conta de energia elétrica. Os constantes aumentos das taxas de iluminação tem assustado muitos brasileiros. Por isso, veja essas dicas de iluminação para casa da arquiteta Leila Dionizios, que vão tornar seu projeto mais eficiente e econômico.

Sala com luminárias embutidas
Fonte: Leila Dionizios Arquitetura.

  • Você sabia que 25% da conta de energia de uma residência é relativo a iluminação para casa? Por isso é tão importante escolher lâmpadas econômicas e estar sempre atento a todos os outros dispositivos que consomem energia, como aparelhos em stand by e até carregadores que ficam na tomada sem estar carregando nada.
  • Quem se preocupa com a aparência das lâmpadas já pode começar a ficar despreocupado, pois hoje é possível encontrar no mercado lâmpadas de diferentes formatos e cores, que podem complementar qualquer decoração de forma satisfatória.
  • Alguns tipos de lâmpada consomem mais do que outros, por isso é muito importante conhecer bem cada um deles para escolher o melhor custo benefício para o seu projeto de decoração.

Sala com luminárias incandescentes Fonte: Leila Dionizios Arquitetura.

  • As lâmpadas incandescentes são as mais baratas e mais comuns, no entanto sua vida útil é bem curta. Além disso, elas consomem muito e rendem pouco: apenas 5% da energia utilizada por uma lâmpada incandescente é transformada em luz. O resto se dissipa em forma de calor. Por isso, se você quer um ambiente bem iluminado e fresco, além de energeticamente econômico, não deve utilizar este tipo de lâmpada.
  • Também existem lâmpadas halógenas, que possuem filamentos de tugstênio. Elas tem uma durabilidade um pouco maior que as incandescentes e são um pouco mais econômicas, mas não são recomendadas para uso residencial. Além disso, elas também esquentam bastante, o que fará com que seja gasto ainda mais para refrigerar o cômodo.
  • Já as lâmpadas fluorescentes são um pouco mais caras, porém tem uma vida útil mais longa e iluminam muito melhor que as incandescentes, podendo gerar uma economia de até 80%. No entanto, é necessário ter muito cuidado na hora de descartá-las, pois elas contém mercúrio, que é altamente tóxico e leva a contaminação do solo e dos lençóis freáticos. Por isso, é preciso embalá-las corretamente e procurar locais que façam a coleta do material.

Uso de lâmpada led; dicas de iluminação para cozinha; Cozinha clara; Cozinha brancaFonte: Leila Dionizios Arquitetura.

  • As lâmpadas de LED são outra opção que podem parecer um pouco caras a princípio, mas possuem vida útil altíssima e oferecem uma ótima eficiência energética. Além disso, 98% de seus componentes são recicláveis, o que torna mínimo o seu impacto de descarte no ambiente.
  • A cor da luz também é muito importante para a decoração e o conforto dos ambientes da casa. Lâmpadas com luzes amarelas lembram o sol e criam uma sensação de aconchego, por isso são perfeitas para quartos e salas. Já a luz branca não é tão reconfortante, mas ilumina muito bem e deve ser utilizada em locais como cozinha, banheiro, lavanderia e escritórios. Vale lembrar que já existem lâmpadas fluorescentes e de LED com luz branca e amarela.
  • A utilização de lâmpadas com luzes brancas e amarelas no mesmo ambiente pode gerar desconforto se o projeto de iluminação para casa não for muito bem planejado. Por isso, evite essa mistura na sua residência, a não ser que seja realmente necessário.

Iluminação direcionada led; luminária de cabeceira; luminária de metal
Fonte: Leila Dionizios Arquitetura.

Agora que você já possui várias dicas de iluminação para casa e conhece melhor alguns dos tipos de lâmpadas que existem no mercado, então já pode começar o seu projeto. Mas se você ainda não se sente pronto para dar esse passo sozinha, consulte o escritório de arquitetura Leila Dionizio, que possui uma equipe preparada e pronta para te ajudar em qualquer tipo de projeto para casa.

 

Curtiu? Então faça seu comentário sobre este artigo: